Farmácia Dias


CABO SAT 73 -3278-2039


WENCELAU GUIMARÃES: 1ª FEIRA DE LIBRAS 9Língua brasileira de sinais)

















 1ª intérprete de libras P.M Dheimme Galvão com a aluna surda da rede regular Fernanda Assis


Foi realizada hoje (26) a 1ª feira de libras (língua brasileira de sinais) na cidade de Wenceslau Guimarães com o grupo alcance surdos com o objetivo de divulgar a cultura, língua, identidade e história da comunidade surda também em comemoração ao setembro azul que simboliza a luta dos surdos ao longo de sua história.
A intérprete Dheimme Galvão  ressaltou que ainda falta um pouco de reconhecimento ao seu trabalho, mas espera que aos poucos venham se conscientizar da importância do seu trabalho de ensino como intérprete na rede regular.




Audiência Pública sobre a Educação Infantil

A presidente da Comissão de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia, e Serviços Públicos, deputada Fabíola Mansur, falou sobre a aprovação da Audiência Pública sobre a Educação Infantil, que será realizada no dia 3 de outubro. O objetivo da audiência é examinar a grave realidade que envolve esse público-alvo, pois o número de vagas ofertado na rede pública ainda é pequeno, e buscar soluções para essa situação. Veja vídeo!




Ex-presidente do Banco Central diz que BB seria estatal 'pronta' para ser vendida

Ex-presidente do Banco Central diz que BB seria estatal 'pronta' para ser vendida
Foto: Divulgação
O ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco avalia que a crise na Petrobras abriu uma "janela" para a retomada das privatizações no País, e que o Banco do Brasil seria a estatal no momento "pronta" para a venda. Gustavo Franco participou nesta segunda-feira (25) a lado do ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, de seminário para empresários em Belo Horizonte. "Depois desse episódio (corrupção na Petrobras), é muito fácil entender que uma empresa estatal é vulnerável à captura por políticos corruptos. Não há assunto de liberalismo nisso. Há assunto de código penal", afirmou. "Pessoalmente, acho que o Banco do Brasil está pronto (para ser vendido)". O ex-presidente do BC disse, no entanto, que o BB "não pode e não deve ser comprado pelo Itaú nem pelo Bradesco", afirmou, se referindo aos maiores bancos privados do País. Franco disse ainda, que, vendido o BB, a Caixa Econômica Federal deveria se tornar empresa de capital aberto para "melhorar governança". Gustavo Franco afirmou haver outras possibilidades de saída para a crise econômica que não o aumento de impostos. "Tem o caminho de equilíbrio de contas pelo lado das despesas. É o caminho politicamente mais difícil. Tradicionalmente, o Parlamento se esconde embaixo da mesa e quer que o Poder Executivo proponha (o aumento) que eles contrariamente acabam concordando para não terem que sacrificar gastos de interesses mais caracteristicamente políticos". O ex-ministro da Fazenda Pedro Malan, por sua vez, fez uma análise da situação econômica no Brasil e afirmou que o País, "aos trancos e barrancos", vai equacionar seus problemas. Ele afirmou que "o fato de os juros terem declinado de 14,25% para 8,25%, e de que vão chegar mais baixo que isso no final do ano, início do ano que vem, é sinal de ancoragem da expectativa quanto ao custo dos preços". "A sociedade brasileira acha, de maneira crível, que nós vamos ter taxas civilizadas de inflação. O sistema de metas tem funcionado e o Banco Central demonstra credibilidade", avaliou. Malan acredita que, com o cenário atual, a inflação seguirá baixa em 2018, 2019 e 2020. Porém, não arriscou os porcentuais. "São os que estão no mercado", disse. Malan afirmou ainda que a situação externa é favorável. "Temos entre U$ 60 bilhões e U$ 70 bilhões ingressando no Brasil em investimento direto, apesar das incertezas. O que quer dizer isso? Que estão olhando a médio e longo prazo que o Brasil, à nossa maneira, aos nossos trancos e barrancos, vai conseguir equacionar seus problemas". O ex-ministro disse que as turbulências vividas pelo Brasil são originadas por posicionamentos adotados dentro do próprio País. Conforme Malan, foram tomadas "decisões equivocadas na área macro, na Petrobras, no setor elétrico". "Decisões que têm custo monumental. A conta chegou. De 2014, 2015 para cá, temos que lidar com ela".

Líderes do Senado se reúnem para discutir fundo eleitoral

Líderes do Senado se reúnem para discutir fundo eleitoral
Foto: Wilson Dias / Agência Brasil
Líderes partidários do Senado se reúnem nesta terça-feira (26) para tentar chegar a uma versão do projeto que cria um fundo – com recursos públicos – para financiamento de campanha, de forma a ter condições de ser colocado no plenário para votação. Segundo informações do portal G1, o encontro ocorrerá em almoço organizado pelo presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE). A proposta em debate é limitar o texto à criação do fundo, retirando qualquer trecho que modifiquem outras regras eleitorais. A proposição apresentada pelo senador Armando Monteiro (PTB-PE) na semana passada estabelece que os recursos viriam das emendas parlamentares, em um percentual de 50% e um montante correspondente à isenção fiscal de emissoras comerciais de rádio e TV que veiculam propaganda partidária (fora do período eleitoral), que seria extinta. O horário eleitoral gratuito seria mantido. Com essas regras, o fundo ficaria com cerca de R$ 3,5 bilhões, sendo a maior parte vindo das emendas parlamentares. A ideia é suprimir os outros dispositivos do texto de Monteiro, que modificaria diversas regras eleitorais. Os parlamentares querem também reduzir o montante, o percentual passaria de 50% para 30% com a redução, o valor do fundo cairia para cerca de R$ 2 bilhões.

Prado: Avanço do mar ameaça estrada que dá acesso às praias

Prado: Avanço do mar ameaça estrada que dá acesso às praias
Foto: Reprodução / Prado Notícia
Uma estrada no litoral de Prado, extremo sul baiano, está ameaçada de desabamento. Devido ao avanço do mar, um trecho da via já cedeu na altura da Praia de Amendoeira, que liga a cidade ao distrito de Cumuruxatiba. Apenas um carro pequeno consegue passar pelo local. Segundo o Prado Notícia, a secretaria de Obras e Serviços Urbanos do município disse que construiu um paredão de pedras para tentar conter o avanço do mar, mas justamente no ponto da Praia de Amendoeira, a erosão foi mais forte e provocou o desmoronamento da via. O risco de desabamento da estrada aumenta para quem precisa trafegar pela estrada, responsável pelo acesso à maioria das praias do município. Conforme a TV Santa Cruz, o secretário Marcos Mafra declarou que nos últimos anos, o mar avançou mais ou menos cinquenta metros no local e que o município registrou ondas de até três metros e meio.

Jovens de Ipiaú são detidos em Jitaúna com moto roubada em Jequié

Dois jovens moradores de Ipiaú foram detidos na noite dessa segunda-feira (25), na cidade de Jitaúna. De acordo com informações policiais, a dupla estava numa motocicleta roubada, modelo Honda CG/150, de cor vermelha, roubada no domingo (24) na cidade de Jequié. Após receber informações de populares, as Polícias Civil e Militar, como o apoio da Guarda Municipal de Jitaúna iniciaram uma perseguição aos suspeitos. O condutor da motocicleta perdeu o controle da direção do veículo e os ocupantes acabaram caindo em um córrego numa estrada vicinal próximo ao povoado de Barra Avenida. Os jovens sofreram escoriações leves e foram encaminhados para o Hospital Nossa Senhora de Fátima e em seguida apresentados na delegacia local.

Defesa de Lula encaminha a Moro comprovantes de pagamento de aluguel

Defesa de Lula encaminha a Moro comprovantes de pagamento de aluguel
A defesa do ex-presidente Lula encaminhou hoje ao juiz Sergio Moro a cópia de 26 recibos para comprovar pagamento de aluguel do apartamento em que o ex-presidente mora em São Bernardo do Campo (SP). Os comprovantes são referentes a cinco anos de aluguel, além da cópia de um contrato firmado com o proprietário, Glaucos da Costa Marques, no dia 1º de fevereiro de 2011. Lula é réu em uma ação penal que investiga se ele recebeu como propina um terreno onde seria construída a nova sede o Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do petista. O juiz Sergio Moro demonstrou contrariedade com o fato de o petista não ter apresentado os recibos de aluguel desde a formalização da denúncia, em dezembro de 2016. *BN

Gabaritos do Processo Seletivo Simplificado da Prefeitura de Valença são divulgados

Resultado de imagem para Gabaritos do Processo Seletivo Simplificado da Prefeitura de Valença são divulgados
Os gabaritos das provas do Processo Seletivo Simplificado da Prefeitura de Valença foram divulgados nesta segunda-feira (25), no site da Aietec (Veja Aqui).
As provas para o Prosel ocorreram no último domingo (24) com o objetivo de contratação temporária de profissionais para os cargos de Assistente Social, mecânico, carpinteiro eletricista, nutricionista, professor, engenheiro, pedagogo, assistente administrativo, entre outros. As funções são para os Níveis Fundamental, Médio, Técnico e superior.

Dívida pública sobe 1,87% e vai para R$ 3,4 trilhões

Foto: Divulgação

A Dívida Pública Federal – que inclui o endividamento interno e externo do Brasil – registrou aumento em agosto. O estoque da dívida subiu 1,87%, passando de R$ 3,341 trilhões, em julho, para R$ 3,404 trilhões em agosto, informou hoje (25), em Brasília, a Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda.
A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi), que é a parte da dívida pública que pode ser paga em reais, teve seu estoque ampliado em 1,91%, ao passar de R$ 3,224 trilhões para R$ 3,286 trilhões. Segundo o Tesouro, esse aumento é devido à emissão líquida, ou seja, mais emissões de títulos públicos do que vencimentos, no valor de R$ 33,08 bilhões, além de pagamentos de juros de R$ 28,38 bilhões.
O estoque da Dívida Pública Federal Externa, captada do mercado internacional, teve aumento de 1%, encerrando o mês passado em R$ 117,57 bilhões (US$ 37,36 bilhões). Segundo o relatório do Tesouro, a variação ocorreu principalmente devido à desvalorização do real frente às principais moedas que compõem o estoque da dívida externa.
Endividamento do Tesouro
A variação do endividamento do Tesouro pode ocorrer por meio da oferta de títulos públicos em leilões pela internet (Tesouro Direto) ou pela emissão direta. Além disso, pode ocorrer assinatura de contratos de empréstimo.
Neste caso, o Tesouro toma empréstimo de uma instituição ou de um banco de fomento, destinado a financiar o desenvolvimento de uma determinada região. Já a redução do endividamento se dá, por exemplo, pelo resgate de títulos.
De acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), a dívida pública poderá fechar este ano entre R$ 3,45 trilhões e R$ 3,65 trilhões.

Temer recua e vai revogar decreto que extinguiu Reserva Nacional de cobre


O presidente Michel Temer decidiu revogar o decreto de extinção da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), uma área da floresta entre os estados do Amapá e do Pará. Segundo auxiliares, a decisão levou em conta a polêmica em torno do decreto e, diante de novas pressões, o presidente decidiu deixar que o tema seja mais debatido. Segundo fontes do Planalto, Temer vai assinar a revogação na tarde desta segunda-feira, 25, e ela será publicada no Diário Oficial da União de terça.
No dia 14 deste mês, a Comissão de Meio Ambiente da Câmara pediu a revogação definitiva do decreto. "A maneira agressiva que foi feito (o decreto) não só causou constrangimento da sociedade brasileira, mas do parlamento como um todo, atingiu a Câmara e o Senado", afirmou o presidente da comissão, Ricardo Trípoli (PSDB-SP), na ocasião. "Estamos aguardando que o governo revogue por definitivo e diga quais são os propósitos de exploração na área."
O decreto de extinção da reserva foi assinado pelo presidente Michel Temer no dia 23 de agosto. Diante da repercussão negativa, o governo fez outro decreto, o que não aplacou as críticas. O Ministério de Minas e Energia, depois, publicou portaria para congelar por 120 dias a proposta. O decreto também era questionado no Senado. 
O decreto original provocou uma onda de protestos de ambientalistas e artistas, como a modelo Gisele Bündchen, que acusaram o presidente de estar "vendendo" uma parte da Amazônia para interesses de mineradoras estrangeiras. As críticas chegaram até ao Rock in Rio, novamente pela voz de Gisele e da líder indígena Sônia Guajajara, que fez um protesto durante a apresentação de Alicia Keys.
A Renca originalmente não era uma área de proteção ambiental. Ela foi criada para assegurar a exploração mineral ao governo, mas com o passar dos anos acabou ajudando a proteger a região, na Calha Norte do Rio Amazonas, que é hoje uma das mais bem preservadas da Amazônia.
A reserva mineral, criada em 1984, pelo então governo militar, delimitou um retângulo de 4,7 milhões de hectares na região entre o Pará e o Amapá rico em ouro, nióbio e outros metais, onde somente o próprio governo poderia exercer qualquer atividade mineral. Havia um bloqueio a empresas privadas, que foi levantado pelo decreto do presidente Michel Temer que extinguiu a Renca no final de agosto. 
Ao longo desses 33 anos, a região praticamente não teve exploração mineral, o que acabou colaborando com a proteção da região, uma das mais bem preservadas na Amazônia. Paralelamente, ao longo desse período, os governos federal e estaduais criaram nove áreas protegidas na regão – sete unidades de conservação e duas terras indígenas naquela área –, que acabaram se sobrepondo à Renca.
Hoje quem de fato preserva a floresta ali são essas UCs e TIs. Com Renca ou sem Renca, só é possível hoje ter exploração mineral em algo entre 15% e 30% desse quadrilátero de 4,6 milhões de hectares.
O temor de ambientalistas era que, com a extinção da Renca, haveria um novo interesse de empresas de mineração pela região. Mesmo o Ministério do Meio Ambiente tinha se mostrado contrário a essa medida, e o ministro Sarney Filho disse, em entrevista ao jornal Valor Econômico, que foi pego de surpresa com a decisão de Temer de extinguir a Renca.

Denúncia contra Temer será discutida na Câmara



A Câmara dos deputados tem uma semana de agenda cheia. Amanhã, a partir das 11h30, começam as sessões que tem pauta trancada, após o recebimento da denúncia contra o presidente da República, Michel Temer. Ele é acusado pelos crimes de organização criminosa obstrução de Justiça. Na pauta da Câmara tem ainda os debates, que parecem não ter fim, sobre a Reforma Política.
No caso da denuncia contra Michel Temer , será decido pelos parlamentares da Câmara se a denúncia será dividida e analisada de forma separada. A explicação para este fato é que, além das denúncias contra o presidente, o Ministério Público apontou envolvimento de outros políticos que fazem parte da equipe de governo de Michel Temer, sendo eles: os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco.
“O entendimento, a Secretaria-Geral da Mesa trará com solidez. A primeira impressão é de que é sim possível haver essa análise conjunta, e a solução que for dada pela Câmara dos Deputados terá acompanhada a questão dos ministros. A autorização da Câmara, é focada, no meu entender, na responsabilidade do presidente. Os ministros já podem ser investigados pelo Supremo Tribunal Federal”, disse o líder do DEM, deputado Efraim Filho à reportagem da Agência Brasil.
Nesta semana a denúncia contra Temer, que foi entregue à Casa na quinta-feira (21), deve ser lida no plenário, sendo que a sessão tem que ter quórum de pelo menos 51 deputados. Segundo o regimento interno, lida a denúncia, cabe ao primeiro-secretário da Câmara, deputado Giacobo (PR-PR) comunicar ao presidente Temer sobre o recebimento da denúncia. Paralelamente, a peça segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Mercado prevê inflação abaixo da meta de 3%

Foto: Agência Brasil

O mercado financeiro reduziu a estimativa de inflação para abaixo do limite inferior da meta para este ano. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu de 3,08% para 2,97%, de acordo com o boletim Focus, pesquisa divulgada na internet, todas as semanas – geralmente às segundas-feiras - pelo Banco Central (BC).
A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, tem como centro 4,5%, limite inferior de 3% e superior de 6%. Quando a inflação fica fora desses limites, o BC tem que elaborar uma carta aberta ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicando os motivos do descumprimento da meta.
Na última quinta-feira (21), o diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Viana de Carvalho, disse em Brasília que, se a meta de inflação ficar abaixo do limite mínimo de 3%, o BC justificará o descumprimento “com serenidade”.
A projeção do BC para a inflação, medida pelo IPCA, é de 3,2% este ano. Segundo o Relatório Trimestral de Inflação, o risco de o IPCA ficar abaixo do limite inferior da meta é de 36%.
Para 2018, a estimativa do boletim Focus para a inflação foi reduzida de 4,12% para 4,08%. Essa foi a quarta redução seguida.

Pesquise no Blog

 
Designed by Diogo.Designer