CONSTRUIR

Acesse seu Facebook

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

VEÍCULO PERDE O CONTROLE, ATROPELA DIVERSAS PESSOAS NA CHEGADA DE MUTUÍPE E CAI NO RIO JIQUIRIÇÁ

CAM00464
Por volta de 19h deste domingo um veículo perdeu o controle na localidade Fazenda Pedra, chegada de Mutuípe.

As primeiras informações dão conta de que um palio que trafegava no sentido Jiquiriçá Mutuípe, ao passar pela localidade em alta velocidade provocou o acidente atropelando quatro pessoas, o caro foi parar dentro do Rio Jiquiriçá.
CAM00467
Pelo menos quatro pessoas foram socorridas em estado grave pelas equipes do SAMU de Mutuípe e Jiquiriçá, uma ambulância da prefeitura foi utilizada para acelerar o socorro. As vitimas estão com suspeita de fratura e uma delas com suspeita de traumatismo craniano.
Até o fechamento da mateira as vitima estavam sendo socorridas ao Hospital Clélia Chaves Rebouças. Aguarde novas informações em instantes.

Setor de bebidas quer definição sobre tributos em 2014; reajuste só deve sair depois das eleições

Setor de bebidas quer definição sobre tributos em 2014; reajuste só deve sair depois das eleições
Foto: Marcelo Camargo/Marcelo Pozzebom/Agência Brasil
Após dois adiamentos, o setor de bebidas frias - que inclui cervejas, refrigerantes, água e isotônicos - torce para que a definição sobre o aumento dos impostos saia ainda em 2014. Apesar de ter comemorado a decisão do governo de atrasar a aplicação do reajuste, o setor agora enfrenta um impasse. Isso porque, além da elevação da alíquota, governo federal, companhias e representantes do setor discutem também a reformulação do atual modelo tributário para essas bebidas. Se postergada essa revisão de metodologia até o próximo ano, as negociações correm o risco de voltar à estaca zero com a entrada de um novo governo. Segundo fontes consultadas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o consenso é de que o reajuste não será aplicado antes das eleições. "O aumento de impostos nunca é urgente; o que é necessário agora é a mudança do modelo de reajuste. O setor precisa ter previsibilidade para investimentos", afirmou uma fonte próxima do setor. Prevista inicialmente para o dia 1º de junho, a elevação da carga tributária foi prorrogada por 90 dias para evitar um aumento nos preços de cervejas e refrigerantes durante o período da Copa do Mundo. No anúncio do adiamento, o governo federal disse ainda que o reajuste aconteceria de forma escalonada, com a primeira parcela prevista para setembro. 

Duas semanas após a data remarcada para o aumento, fontes afirmam que até o momento apenas projetos "em fase inicial" foram apresentados e que as discussões com o governo estão paradas. "Não há nenhuma definição sobre o assunto, ainda estamos aguardando e respeitando as prioridades do governo neste momento", declarou uma fonte do setor que participa das negociações. Apesar de não oficializado, o novo adiamento busca evitar pressões adicionais sobre os índices de inflação, evitando um desgaste político às vésperas das eleições presidenciais. Os cálculos iniciais da Receita Federal previam um repasse para os preços das bebidas ao consumidor de 2,25%, em média. Candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff acenou com a saída de Guido Mantega do Ministério da Fazenda em um eventual segundo mandato. Sua principal adversária, Marina Silva, barrou doações das companhias do setor de bebidas ao assumir a candidatura à presidência pelo PSB. "Dependendo de qual for a composição do novo governo, as discussões podem retroceder, o que reforça a pressa", disse uma fonte. Representante das quatro maiores fabricantes de bebidas do País (Ambev, Brasil Kirin, Grupo Petrópolis e Heineken), a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil) evita comentar o efeito eleitoral sobre a questão, mas admite o risco de que uma possível troca de governo afete as negociações. "Esse risco existe, mas independentemente do resultados das eleições, o atual modelo de tributação sobre o setor terá que ser simplificado", afirmou ao Broadcast o presidente da entidade, Paulo Petroni.

Bolsista do Ciência sem Fronteiras morre nos EUA

Bolsista do Ciência sem Fronteiras morre nos EUA
Foto: Facebook/ Reprodução
Um bolsista do Ciência sem Fronteiras morreu em um acidente no Arizona, nos Estados Unidos, na sexta-feira (19). Emanuel Rodrigo Bezerra, 22, era estudante de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Ceará (UFC) e havia iniciado o intercâmbio há pouco mais de um mês. A polícia local ainda investiga as causas do acidente, que ocorreu em uma trilha na Montanha Camelback, nas imediações da cidade de Phoenix. O jovem, segundo a família, foi encontrado ainda vivo pelos colegas de passeio e pelo helicóptero de resgate, mas não resistiu aos efeitos da forte desidratação. Ainda não há informações se ele desmaiou por causa do calor ou por uma queda durante o percurso. A família foi avisada na madrugada desse sábado (20) e a irmã mais velha de Bezerra está nos Estados Unidos para resolver os problemas burocráticos do traslado do corpo. A Arizona State University, onde Bezerra estudava, e o cônsul honorário brasileiro no Arizona têm auxiliado os parentes da vítima no Ceará e em Phoenix. A corretora de imóveis Ana Maria Bezerra, mãe do jovem, disse ao Estado que conversou com o filho por uma rede social durante a trilha. "Ele falou que estava com muito calor e que não iria aguentar", disse. "Avisei para ter cuidado, mas aí não recebi mais resposta", lamentou. Durante a semana, de acordo com Ana Maria, o universitário chegou a desistir do passeio por causa dos riscos da caminhada. "Se eu soubesse que ele tinha mudado de ideia, tentaria impedir", afirmou. "Aquela região é bastante perigosa e morrem várias pessoas todos os anos, principalmente estrangeiros", acrescentou a mãe, de 49 anos. A assessoria de imprensa do Itamaraty informou que o consulado de Los Angeles, na Califórnia, recebeu a informação sobre o falecimento de um brasileiro no Arizona. O órgão, entretanto, não informou a identidade do rapaz.

Cinco estados receberão apoio da Força Nacional nas eleições

Cinco estados receberão apoio da Força Nacional nas eleições
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Pelo menos 170 municípios de cinco estados do país (Maranhão, Pará, Piauí, Rio Grande do Norte e Tocantins) terão a segurança reforçada durante as eleições deste ano. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou que os pedidos das cortes regionais para o encaminhamento das forças federais às localidades. Até agora, foram feitas 209 solicitações ao TSE. Novos pedidos ainda podem ser feitos. O Piauí é o estado com o maior número de cidades atendidas (65). Logo depois vêm o Pará, com 56, e o Rio Grande do Norte, com 36. Dez cidades do Maranhão e outras três do Tocantins também receberão auxílio de forças federais. Um pedido de reforço do TRE-RJ para municípios do estado foi negado no início do mês após o governador e o secretário da Segurança informarem ter condições de garantir a tranquilidade do pleito nas localidades sem o apoio da Força Nacional.

Confinamento contra ebola em Serra Leoa encontra 70 corpos e detecta 150 casos

Confinamento contra ebola em Serra Leoa encontra 70 corpos e detecta 150 casos
Foto: Reprodução
Através de um polêmico confinamento de três dias, autoridades de Serra Leoa detectaram 150 novos casos do ebola, o que permitiu localizar 70 corpos. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (22). Ainda segundo as autoridades, nos três dias, os seis milhões de habitantes de Serra Leoa foram obrigados a permanecer nas residências, enquanto 30 mil voluntários participavam em uma campanha porta a porta para educar a população na luta contra a doença. "Estamos lotados de cadáveres que ainda precisamos enterrar, mas isto acontece todos os dias desde que explodiu a epidemia de ebola. E agora temos 150 novos casos", disse Steven Gaojia, diretor do centro de operações de emergência do país. No período, o governo também anunciou a descoberta de 70 cadáveres, mas apenas na capital Freetown e nos arredores. Os resultados para todo o país podem aumentar consideravelmente o número global. À agência AFP, o ministro da Saúde, Abubakarr Fofanah, disse que os voluntários conseguiram falar com 80% das casas e considerou a operação um sucesso. "Aprendemos muito com a campanha. A operação terminou, mas existe a possibilidade de outra similar em outra oportunidade", afirmou.

domingo, 21 de setembro de 2014

Baianos estigmatizados como ‘leprosos’ vão receber pensão por ficarem isolados da sociedade

Baianos estigmatizados como ‘leprosos’ vão receber pensão por ficarem isolados da sociedade
Hospital Dom Rodrigo de Menezes, antigo Leprosário. Foto: Reprodução
Pessoas com hanseníase - por muito tempo pejorativamente chamada de lepra - que foram obrigadas pelo Estado brasileiro a ficarem isoladas da sociedade vão receber pensões especiais como forma de reparar o dano causado. Na Bahia, serão contempladas 123 pessoas que ficaram "presas" na antiga Colônia Leprosário Dom Rodrigo de Menezes, em Salvador. Do total, 73 são homens e 50 são mulheres. Em todo país, serão 8.858 pensões especiais que pagarão o valor de R$ 750 mensais, transferidas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), com reajuste a cada ano. O balanço com os dados é da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e foi divulgado nesta quinta-feira (18), quando a lei que criou a pensão fez sete anos em vigor. Segundo a secretaria, desde 2007, foram feitos 12.583 pedidos de indenização especial. No levantamento, a maioria dos pensionistas são dos estados de São Paulo (22%) e Minas Gerais (18%). A Lei 11.520 também prevê que a pensão especial é intransferível para os que ficaram isolados compulsoriamente por causa da hanseníase.

Espécie de pássaro descoberta no litoral da Bahia corre risco de extinção

Espécie de pássaro descoberta no litoral da Bahia corre risco de extinção
Foto: Reprodução
Uma nova espécie de pássaro (Scytalopus gonzagai) descoberta na região da Mata Atlântica da Bahia corre risco de ser extinta. De acordo com o biólogo especializado em ornitologia (estudo dos pássaros) Giovanni Nachtigall Maurício, da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul, uma pesquisa estimou em quase três mil o número desses pássaros, macuquinho-preto-baiano como são chamados, na região. A estimativa foi baseada no cálculo da área disponível e da densidade. A partir dos dados, os pesquisadores ampliaram as informações para toda a área possível. “A gente fez um cálculo e, depois, uma ampliação, que indicou em torno de 2.888 pássaros na espécie. O cálculo foi o estopim para essa conclusão (de risco de extinção)”, relatou o biólogo.  Depois desses cálculos, a equipe de pesquisadores usou os critérios da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, a sigla em inglês), “que são critérios universais para o estudo de espécies ameaçadas. O conjunto de critérios vai mostrar o grau de ameaça àquela espécie. Ela se enquadrou na categoria em perigo. Essa é uma categoria de ameaça oficial”. Segundo a regra geral, até 2,5 mil indivíduos, a espécie seria considerada criticamente em perigo; de 2,5 mil até 10 mil indivíduos, é considerada em perigo; e de 10 mil até 20 mil, é vulnerável. Informações da Agência Brasil.

Marina condena intolerância religiosa e preconceito racial em visita a Salvador

Marina condena intolerância religiosa e preconceito racial em visita a Salvador
Foto: Divulgação
A candidata à Presidência da República Marina Silva, do PSB, durante passagem por Salvador neste sábado (20) condenou a intolerância religiosa e o preconceito racial. Marina se reuniu com lideranças do movimento negro na capital baiana e participou de um comício no bairro de Cajazeiras, durante a noite. Ela estava acompanhada pela candidata do PSB a governadora da Bahia, Lídice da Mata. Segundo Marina, em sua carreira política, ela nunca utilizou a fé para pedir votos, nem deixou de apoiar, por motivos religiosos, candidatos em quem acreditava. “Não preciso negar a minha fé para ser presidente da República. Se eu negar a minha fé para ser presidente, como vocês vão acreditar que vou defender a sua fé?”, disse. Lídice da Mata, por sua vez, reiterou a necessidade da manutenção do estado laico e defendeu a realização de campanhas educativas nas escolas públicas para combater a intolerância religiosa. 

Sindicância no IBGE deve durar 30 dias

Sindicância no IBGE deve durar 30 dias
Ministra Miriam Belchior diz que caso ganha contorno eleitoral/Foto: Reprodução
O governo aproveitou o erro do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com dados sociais para atacar os críticos. O posicionamento coube à ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, que fechou ontem uma coletiva de imprensa organizada sob ordens da presidente Dilma Rousseff para comentar a versão corrigida da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad). "É um aprendizado grande para o País, porque mostra que a avaliação de políticas públicas deve se focar em tendências. Todo mundo que se apegou a micro variações de 0,01 ponto para cima ou para baixo em um indicador, como o índice de Gini, errou também", disse Tereza Campello. Já a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, após dizer que a presidente Dilma ficou "perplexa" com o erro, anunciou que poderão ser impostas medidas "funcionais" aos responsáveis, mas ressalvou que qualquer punição só ocorrerá ao final das investigações, que deverão durar, pelo menos, 30 dias. Apesar de a presidente do IBGE, Wasmália Bivar, estar sendo "fritada" pelo Planalto, Miriam não quis anunciar sua provável saída e não quis falar em perda de sustentação política dela no cargo. A ministra do Planejamento admitiu que o caso ganha contornos políticos sérios por conta do período eleitoral. Faltam apenas 15 dias para o primeiro turno. "Acho que o período eleitoral aumenta a amplitude das coisas", disse Miriam. A ministra Tereza, ao fazer referência ao ponto mais popular da Pnad, o índice de Gini, explicou que esse indicador mede a desigualdade de renda domiciliar. Na versão original da Pnad 2013, divulgada na quinta-feira, o índice apresentou uma leve elevação da desigualdade no Brasil entre 2012 e 2013, quando o indicador passou de 0,496 para 0,498 (quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade). Mas os dados estavam errados. No dia seguinte, sexta-feira, os dados verdadeiros indicaram pequena queda na desigualdade, para 0,495. "A tendência é de melhora da renda de todos os brasileiros. O Brasil continua melhorando apesar da crise internacional. Isso sim é importante", disse a ministra.

Pinheiro e Florence classificam de ‘levianas’ acusações de presidente do Instituto Brasil

Pinheiro e Florence classificam de ‘levianas’ acusações de presidente do Instituto Brasil
Foto: Bahia Notícias
As denúncias de desvios milionários de verba pública da ONG Instituto Brasil para integrantes do PT feitas pela presidente da entidade, Dalva Sele Paiva, foram classificadas de levianas e mentirosas pelo deputado federal petista Afonso Florence, e pelo senador do mesmo partido Walter Pinheiro. Na acusação de Dalva, ela elenca alguns políticos que seriam beneficiados pela ONG, como o ex-ministro do Desenvolvimento Agrário (MDA) e deputado federal Afonso Florence e por Walter Pinheiro, além do candidato do governo estadual, Rui Costa.  Tanto Florence como Pinheiro rechaçaram relações espúrias com Dalva e a entidade. “É mentira! Repudio e rechaço veementemente as acusações desta matéria veiculada na revista Veja. O Ministério Público investigou o caso do Instituto Brasil em 2010, e concluiu pela inexistência de qualquer ato ilícito a minha pessoa”, declara Afonso Florence que disse que vai acionar a publicação na Justiça.  Pinheiro também classificou como levianas as declarações da ex-presidente do Instituto Brasil. Segundo o senador, que também ajuizará a revista, afirmou que a matéria da Veja foi uma interpretação do repórter publicada fora do contexto e que foi parcialmente reproduzida. "Em sete campanhas que fiz jamais conheci e tive contato com essa pessoa. Se ela declara ter relações com o partido ou pessoas próximas, não eram comigo e, assim, ela não pode promover um monte de injúria com meu nome”, declarou. O senador ainda afirmou que o Ministério Público da Bahia (MP-BA) já havia denunciado à Justiça o Instituto e, em nenhum momento do processo, há qualquer citação dele. Pinheiro também qualificou o fato de o caso vir à tona agora como factóide eleitoreiro, por conta de aparecer às vésperas das eleições previstas para daqui a 15 dias. 

Pesquise no Blog

Carregando...